top of page

Cinco Erros Comuns ao Convergir Segurança e Rede



Introdução


A rápida evolução digital está impulsionando as empresas, porém, ao mesmo tempo, está desafiando as estruturas de rede devido à crescente complexidade ocasionada pela expansão da rede e pela introdução veloz de novos produtos e serviços. Conforme a rede se torna mais intricada, a habilidade para administrá-la diminui. Entretanto, isso não é o único obstáculo. O aumento da complexidade não apenas dificulta a gestão da rede, mas também impacta a capacidade de detecção e resposta a possíveis ameaças, aumentando a exposição a ataques. O ponto crucial reside no fato de que, embora a rede possa suportar novos projetos, geralmente é formada por várias soluções individuais de rede e segurança separadas, que nunca foram concebidas para operar em conjunto. Considerando o ambiente de ameaças sofisticadas atual, as chances de um ataque bem-sucedido e violação de dados estão em um patamar nunca antes visto.


Requisitos para consolidação


Lidar com esses novos perigos e salvaguardar esses caminhos de invasão requer uma abordagem unificada. Uma solução efetiva de segurança cibernética, projetada para garantir uma proteção abrangente e, simultaneamente, simplificar a complexidade, deve:


  • Unificar soluções corporativas de rede e segurança em um único dispositivo.

  • Proteger toda a área vulnerável, não apenas no momento atual, mas também à medida que ela se expande.

  • Gerenciar todo o processo do ataque, desde a detecção até a resposta.

  • Suportar múltiplas plataformas e ambientes de nuvem híbrida, mantendo a segurança nativa da nuvem para operar como uma extensão da segurança local.

  • Utilizar uma única fonte de inteligência de ameaças em todas as tecnologias de segurança implementadas.

  • Supervisionar e administrar todas as soluções, permitindo que equipes de TI enxutas atendam às demandas de segurança da organização.


Isso é apenas o ponto de partida. Simplificar a complexidade vai além de simplesmente adotar a tecnologia adequada. Também envolve a integração dessas tecnologias entre si.


Começa com a convergência da rede e da infraestrutura de segurança e continua com a adoção de uma abordagem de plataforma para reduzir a quantidade de fornecedores necessários para compor a solução. O ambiente integrado resultante minimiza as lacunas de segurança e, ao mesmo tempo, oferece medidas preventivas e respostas oportunas e coordenadas em todas as fases do ataque.


No entanto, isso é mais desafiador do que parece. Aqui estão cinco equívocos comuns que as organizações cometem ao consolidar suas estratégias e soluções de segurança e rede.


Erro nº 1: confiar demais


O paradigma de segurança tradicional, centrado no perímetro, foi completamente transformado, com dispositivos considerados "confiáveis" agora implantados fora da fronteira da rede, enquanto os considerados "não confiáveis" transitam livremente dentro dela.


Usuários que operam em um ambiente híbrido, dentro e fora do local físico, demandam acesso irrestrito à rede e seus recursos de qualquer lugar. Sem políticas mais rígidas e controles consistentemente aplicados, o risco de uma violação bem-sucedida aumenta consideravelmente, principalmente à medida que usuários, aplicativos e fluxos de trabalho transitam entre os diversos segmentos de uma rede distribuída.


Um modelo de segurança Zero Trust implica que nenhum usuário ou dispositivo é automaticamente confiável. Pelo contrário, o acesso a recursos é concedido ou negado com base na identidade do usuário, enquanto as permissões são atribuídas com base nas funções, responsabilidades e deveres dos usuários e dispositivos. Os princípios do Zero Trust visam reduzir os riscos provenientes de dispositivos ou usuários mal-intencionados ou vulneráveis, especialmente em um cenário onde o perímetro se expandiu e fragmentou devido ao trabalho remoto, resultando em uma multiplicação exponencial dos endpoints.


Implementar e aplicar adequadamente um modelo de segurança Zero Trust requer inicialmente uma segmentação de rede eficiente e um controle de acesso sólido. Sua estrutura de segurança deve ser capaz de identificar automaticamente os dispositivos que se conectam à rede, autenticar os usuários de forma segura e conceder ou negar o acesso aos recursos de rede com base nas permissões associadas à conta desse usuário.


A segmentação interna da rede limita a movimentação lateral de invasores e softwares maliciosos, reduzindo o impacto de uma possível violação de dados. Tanto as aplicações em ambiente local quanto na nuvem podem operar com usuários e aplicações independentes geograficamente, mantendo conexões seguras e confiáveis para recursos vitais sem inadvertidamente comprometer o restante da rede.


O acesso às aplicações é outro elemento crítico. O acesso à rede Zero Trust (ZTNA) é construído com o uso de diversas ferramentas, como cliente, gateway de aplicações, mecanismo de política, autenticação e segurança. Entretanto, quando fornecido por diferentes provedores utilizando sistemas operacionais e consoles de gerenciamento e configuração distintos, estabelecer uma solução ZTNA eficaz se torna praticamente impossível.


Erro n.º 2: avaliar plataformas de nuvem e soluções de segurança em um silo


As empresas enfrentam desafios ao estabelecer e manter políticas consistentes de segurança e aplicação em ambientes híbridos multinuvem. Tentar implementar segurança nesses ambientes complexos pode ser esmagador para muitas equipes de TI, pois lidar com controles de segurança consistentes, gerenciar o acesso a aplicações e manter um desempenho geral é uma tarefa complicada, especialmente ao empregar múltiplas soluções de diferentes fornecedores.


Os maiores riscos em implantações multinuvem estão relacionados à expansão excessiva, segurança reforçada que não é nativa e configurações inadequadas. Implantações em nuvem híbrida, situadas fora do perímetro da rede, mas acessíveis pela internet pública, também podem resultar em problemas de acesso não autorizado.


Para aproveitar ao máximo os benefícios da computação em nuvem, as soluções de segurança devem ser capazes de utilizar eficientemente recursos da nuvem, como dimensionamento automático, ser sensíveis ao ambiente para oferecer a precisão necessária, garantir consistência de recursos e aplicativos em qualquer ambiente de nuvem e ser verdadeiramente nativas da nuvem em todas as principais plataformas de nuvem.


Ambientes multinuvem demandam também detecção e aplicação coordenadas em toda a superfície de ataque digital para permitir respostas rápidas às ameaças. Isso implica que as soluções de segurança implementadas em diferentes plataformas não apenas ofereçam funcionalidades nativas da nuvem, mas também compartilhem inteligência de ameaças entre nuvens para garantir uma segurança consistente e sensível ao contexto, capaz de avaliar e se adaptar automaticamente aos riscos. Isso possibilita que as políticas de segurança acompanhem aplicações e fluxos de trabalho que abranjam múltiplas nuvens, assegurando a aplicação consistente de proteções de ponta a ponta.


Erro n.º 3: concentrar-se na prevenção em vez de no tempo para detecção


Os criminosos virtuais estão cada vez mais recorrendo a ataques direcionados para explorar fragilidades e configurações inadequadas na rede. Suas campanhas meticulosamente planejadas oferecem aos defensores da cibersegurança apenas uma pequena janela de oportunidade para interromper uma série de ataques. E os métodos manuais de detecção e resposta simplesmente não conseguem acompanhar a automação, a escala da computação em nuvem e a inteligência artificial (IA) utilizadas para realizar ataques sofisticados que miram em periferias distribuídas.


Para proteger sua organização dos ataques em alta velocidade, incluindo o malware de rápida mutação, sua abordagem de segurança deve ser capaz de se "reprogramar" em tempo real, a fim de interromper o fluxo de ataques antes que sejam bem-sucedidos.


Para verificar se o seu sistema de segurança está preparado para a tarefa, é necessário avaliar cinco aspectos:


  1. Capacidade de transição rápida da detecção de ameaças para a implementação de uma defesa personalizada em seu ambiente disperso.

  2. Precisão e velocidade das habilidades de detecção.

  3. Capacidade de criar novas medidas preventivas durante todo o ciclo de um ataque, distribuindo-as automaticamente entre diferentes dispositivos e tecnologias, reforçando as medidas existentes.

  4. Participação efetiva no compartilhamento de inteligência de ameaças, tanto global quanto comunitariamente, para evitar ser o "segundo" a enfrentar uma ameaça.

  5. Qualidade dos recursos de Inteligência Artificial (IA) e Aprendizado de Máquina (ML), se aplicável.


Uma estratégia de cibersegurança sólida aproveita as vantagens da escala proporcionada pela computação em nuvem e a IA avançada para oferecer proteção quase em tempo real, abrangendo desde os usuários até as aplicações em todo o ambiente. O uso estratégico da IA é essencial para coordenar a prevenção, detecção e resposta em toda a superfície de ataque digital, incluindo bordas, nuvens, endpoints e usuários.


Os recursos de Aprendizado de Máquina (ML) são igualmente fundamentais. Um classificador de ML bem treinado é capaz de distinguir ameaças genuínas de falsos positivos, permitindo que as equipes de segurança concentrem seus esforços nas investigações e na remediação de ataques reais. Soluções em linha fazem uso do ML para detectar automaticamente ameaças com base em comportamentos anômalos e respondem usando protocolos predefinidos. O aprendizado de máquina também facilita a coleta e análise de dados, fornecendo aos analistas e caçadores de ameaças do Centro de Operações de Segurança (SOC) as informações necessárias para detectar e responder de forma ágil a ataques avançados e rápidos.


Erro n.º 4: expandir a conectividade sem segurança convergida


As empresas estão acelerando seus projetos digitais para ganhar mais agilidade e flexibilidade. Contudo, apesar das redes atuais serem projetadas para alta agilidade, a maioria das estratégias de segurança tradicionais não acompanha esse ritmo. Quando as redes se adaptam às mudanças nos requisitos, alguns segmentos da rede podem acabar desprotegidos. Diante da necessidade de adaptabilidade e escalabilidade, não é mais viável implantar a rede e sua infraestrutura de segurança como entidades separadas, simplesmente sobrepondo uma à outra. O que se requer é uma solução que una as funcionalidades de segurança e rede em um sistema único e integrado, capaz de ser implantado em uma variedade de formatos.


Infelizmente, muitas organizações, ao lidarem com diversos ambientes de rede e uma crescente gama de dispositivos, juntamente com as ameaças cibernéticas associadas, optaram por implantar uma ampla variedade de produtos de segurança independentes. Estes produtos não se integram à infraestrutura existente e não são interoperáveis. Isso dificulta ou torna impossível o monitoramento e gerenciamento dessas soluções, prejudicando também a possibilidade de automação. Além disso, para complicar ainda mais, algumas organizações adotaram soluções de diferentes fornecedores para proteger diferentes casos de uso, seja em hardware, software ou ambientes na nuvem.


Erro n.º 5: não implementar um ecossistema completo


Nenhum único fornecedor terá todas as tecnologias necessárias no momento exato em que você precisar delas. Da mesma forma, ninguém individualmente consegue abordar todos os requisitos para lidar com o atual cenário de ameaças. A solução está em escolher uma abordagem, frequentemente uma plataforma, que possa se integrar de maneira simples com o restante do seu ambiente de segurança. Isso inclui a integração de soluções de fornecedores terceirizados por meio de interfaces de programação de aplicações (APIs), conectores, ferramentas e scripts de automação DevOps. Essa abordagem possibilita a criação de uma frente unificada para prevenir, detectar e responder, protegendo a sua superfície de ataque digital expandida.


Uma arquitetura de API aberta possibilita a comunicação e a sincronização entre dispositivos de diversos fornecedores. Conectores personalizados oferecem um nível ainda maior de integração e interoperabilidade, permitindo a comunicação em tempo real e atualizações automáticas em todo o ambiente. Além disso, uma biblioteca de ferramentas e scripts DevOps específicos permite implantações e gerenciamentos rápidos e personalizáveis, ampliando os recursos de equipes de segurança enxutas. Esta arquitetura de segurança integrada proporciona proteção e conexões consistentes em todos os pontos da rede, independentemente de onde estejam localizados.


Além da interoperabilidade, há a necessidade de coordenar e colaborar com parceiros de inteligência de ameaças, organizações de pesquisa e outros fornecedores de cibersegurança e redes. Instituições como o FortiGuard Labs colaboram com a comunidade global de inteligência para compartilhar as melhores práticas do setor e impedir a propagação de ataques, protegendo as empresas contra inúmeros eventos prejudiciais. Os próprios fornecedores precisam transcender seus interesses individuais e colaborar com a comunidade global de inteligência, compartilhando as melhores práticas e pesquisas sobre ameaças, com o intuito de frear a disseminação de ataques. Trabalhar em conjunto amplia a visibilidade e a detecção de ameaças, permitindo uma resposta coordenada. Isso capacita as organizações a competirem de maneira eficiente e segura no atual mercado digital.


Conclusão


Com a mudança sendo a única constante, tendo em conta o rápido consumo de inovações adicionadas aos ambientes existentes, a simplicidade e a adaptabilidade são vitais.. À medida que sua rede se torna mais intrincada e heterogênea, é necessário contar com uma plataforma integrada de cibersegurança para simplificar e aprimorar seus recursos de prevenção, detecção e resposta. Isso proporciona uma visão unificada em toda a superfície de ataque digital, eliminando lacunas de segurança e reduzindo a complexidade, enquanto agiliza operações e respostas a incidentes.


A experiência digital otimizada requer a criação e a manutenção de conexões confiáveis e de alto desempenho entre usuários, dispositivos e aplicações em ambientes diversos e globais, incluindo configurações de nuvem híbrida. No entanto, simplesmente consolidar silos não é suficiente para alcançar esse objetivo. A convergência entre rede e segurança, a consolidação de fornecedores e a colaboração com parceiros constituem a resposta adequada. Evitar os cinco erros ao avaliar o próximo investimento em segurança ajudará a fechar lacunas de segurança, unificar sistemas que estão isolados, acelerar os tempos de resposta e garantir que sua segurança possa crescer e se adaptar conforme as necessidades do seu negócio.


Suporte Fortinet Audere


A Audere reconhece a importância da segurança e privacidade em um mundo cada vez mais conectado e em constante mudança. Por isso, estabelecemos parcerias com empresas globais, líderes em soluções de segurança cibernética como a Fortinet. Oferecemos aos nossos clientes as melhores opções de segurança disponíveis no mercado, por meio de soluções personalizadas e sob medida para atender às necessidades específicas, fornecendo um serviço de alta qualidade e confiabilidade.


Venha agora mesmo aderir a Audere!



☎️ (11) 4063-2655


33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page